0

Natal 100 crack

natal_100_crack
Depois do Maranhão fui para o Rio Grande do Norte. E a viagem a Natal foi a mais proveitosa até agora, visitei algumas Casas de Apoio e como sempre a constatação é a mesma, não há quase nenhum interesse do poder público, seja lá em que esfera for, em dar suportes a estas Casas. Há quem diga que os recursos estão lá, esperando que estes centros se adaptem as exigências da Anvisa e do Senad, mas isso acaba virando um jogo de crianças, onde de um lado as Casas não têm condições de se adequarem e de um outro lado o governo como um menino birrento cruza os braços e diz: Não dou, Não dou e Não dou!

Desta forma os Centros de recuperação estão carentes de alimentos, material de higiene, livros e principalmente de atividades laborais, preponderantemente profissionalizantes.
Cheguei a uma conclusão lógica de que a solução em termos de reabilitação e ressocialização é indubitavelmente a criação de Centros de Referência das Comunidades Terapêuticas regionais. Que darão suporte a estas casas, oferecendo o atendimento psicológico, de assistência social, jurídico e cidadão aos recuperandos, co-dependentes e até aos monitores, auxiliares (que nas Casas confessionais chamamos de obreiros).
Entendo que não precisamos de novos Centros de Recuperação, mas de que os muitos já existentes em todo o Brasil, em sua maioria precários, recebam consultoria para se adequarem as normas exigidas, além de estreitarem a relação de monitores religiosos aos profissionais técnicos pertinentes a desintoxicação.

Além das palestras de incentivo que ministrei nas Casas de Apoio em Natal, conseguimos também falar a 3 escolas da cidade. Usando a prerrogativa da prevenção a adolescentes e jovens, em um alerta bem- humorado e é claro sempre movido a muito HIP HOP rs rs rs para que evitem se tornar potenciais usuários.
Que Deus abençoe ricamente ao Pr. Wanderley, sua família, pastores ajudadores e obreiros que de forma intensa nos apoiaram incondicionalmente para que as ações nas Casas de Apoio, nas Escolas e até nas comunidades tivessem êxito. Três dias proveitosíssimos, em uma das cidades mais lindas do Nordeste, mas com os mesmos problemas do restante da região onde hoje se concentra quase que metade dos consumidores de crack do Brasil, país líder no consumo mundial. Lamentavelmente além do crack, encontrei também grande consumo de loló e de álcool.
Continuem orando para que o Senhor nos dê estratégias inovadoras para um combate mais eficiente, arrojado e profícuo contra este mal. Daqui sigo pra Bahia e depois para o Espírito Santo. As últimas paradas são na Paraíba e depois de novo em Brasília onde no final do ano vou falar em um seminário contra as drogas. E aí, só no ano que vem vamos para a região norte.
2014 é um ano que promete. Estou escrevendo dois livros a partir destas macroleituras sociais. E espero que as análises feitas a partir destas vivências possam ajudar usuários em tratamento, monitores, familiares, agentes do governo e voluntários, profissionais médicos e sociais, além de cooperar para a elaboração de políticas públicas no enfrentamento ao crack e outras drogas. Me ajudem, com orações, com idéias e no auxílio de nosso novo desafio: A CASA DE APOIO À FAMÍLIA – Módulo Feminino. Estamos ainda com algumas necessidades simples, principalmente de “gente” que queira vez ou outra ir lá para conversar, orar e sorrir com as meninas. Que Jesus abençoe a todos ricamente. Leandro Marques

facebooktwittergoogle plus


Leave a Reply